[...]
Tudo o que é habitual tece à nossa volta uma rede de teias de aranha cada vez mais firme; e logo percebemos que os fios se tornaram cordas e que nós nos achamos no meio, como uma aranha que ali ficou presa e tem de se alimentar do próprio sangue. Eis por que o espírito livre odeia todos os hábitos e regras, tudo o que é duradouro e definitivo, eis por que sempre torna a romper, dolorosamente, a rede em torno de si; embora sofra, em conseqüência disso, feridas inúmeras, pequenas e grandes - pois esses fios ele tem que arrancar de si mesmo, de seu corpo, de sua alma. Ele tem que aprender a amar, ali onde até então odiava, e inversamente. Nada deve ser impossível para ele, nem mesmo semear dentes de dragão no campo em que fizera transbordar as cornucópias de sua bondade.
Friedrich Nietzsche. Humano, demasiado humano: um livro para espíritos livres; tradução Paulo Césa de Souza – São Paulo: Companhia das Letras. São Paulo, 2000.
"Ela, em geral, dava ótimos conselhos a si própria (embora raramente os seguisse)."
”[…] mas Alice, a essa altura, só esperava que coisas extraordinárias acontecessem e achava completamente sem graça que a vida seguisse seu curso normal.”
Alice no país das maravilhas, Lewis Carroll.

"Ela, em geral, dava ótimos conselhos a si própria (embora raramente os seguisse)."

”[…] mas Alice, a essa altura, só esperava que coisas extraordinárias acontecessem e achava completamente sem graça que a vida seguisse seu curso normal.”

Alice no país das maravilhas, Lewis Carroll.